Tistu é o personagem do livro chamado “O Menino do Dedo Verde”. Essa obra, de 1957, foi o único romance de pura ficção escrito pelo historiador francês Maurice Druon. De uma forma resumida, a história é mais ou menos assim:


Tistu era um menino esquisito, com um nome esquisito. Recusava-se a aceitar ideias pré-fabricadas pelas pessoas grandes, que simplesmente não sabem, por mais que pretendam, de onde viemos, por que estamos aqui e o que devemos fazer nesse mundo.


Tistu era bonito e seu mundo era muito rico. Dona Mamãe e Sr. Papai eram donos da fábrica de canhões em torno da qual girava toda a economia da cidade, que se chamava Mirapólvora.


Ele crescia na Casa-Que-Brilha, cercado de toda a atenção. Mesmo quando estava sem apetite, era obrigado a engolir toda a sopa. Ele precisava crescer forte para ocupar o lugar do seu pai na direção da fábrica.

Na escola, Tistu não era como todo o mundo. Por mais que se esforçasse para prestar atenção no professor, não resistia ao sono, que vinha implacável logo que começava o lento desfile das letras pelo quadro-negro.


Preocupado, Sr. Papai, que era homem de rápidas decisões, resolveu: – Vamos experimentar um novo sistema de educação, já que ele não é como todo o mundo! Aprenderá as coisas que deve saber olhando-as com os próprios olhos. A vida, afinal, é a melhor escola.


Então começaram as explicações de como funcionam as coisas na cidade, nos campos, na fábrica. E o sol voltou a brilhar para Tistu.


Suas primeiras lições foram com o velho jardineiro Bigode. Lá mesmo, nas estufas do jardim da Casa-Que-Brilha, Tistu descobriu um dom: tinha o polegar verde. Não que fosse verde de verdade, mas sempre que tocava em uma semente adormecida, ela acordava e nasciam flores. Lindas e coloridas flores. Era um talento oculto.


Depois que descobriu o polegar verde, não havia mais como fazê-lo parar. Tistu teve aulas no hospital, na cadeia, na favela, na fábrica de canhões e na prefeitura.

E descobriu que podia transformar todos os lugares em algo muito melhor. Em pouco tempo, toda a cidade ficou florida. Veio gente de todo o mundo para conhecer Mirapólvora, que aliás, passou a se chamar Miraflores.


O lindo final dessa história está no livro, mas já podemos enumerar aqui algumas questões que consideramos da maior importância:


- Toda criança é como Tistu: anjos com talentos ocultos, que precisam ser descobertos.


- Uma escola não deve estar apegada a ideias preconcebidas. Métodos de ensino devem ser analisados e experimentados, mas sempre a serviço do aprendizado e não de modismos que iludem e cerceiam a liberdade.


- Toda aprendizagem implica em ação. A criança aprende fazendo, falando, argumentando, convivendo, compartilhando, brincando.