Esta história aconteceu em Curitiba, em um bairro chamado Água Verde. Havia mais casas do que prédios, mais pedestres do que carros, exatamente ao contrário dos dias de hoje.


Entre as avenidas Getúlio Vargas e Iguaçu, mais precisamente na Rua Dr. Alexandre Gutierrez, morava uma família em uma casa ensolarada. A família era formada por pai, mãe e duas meninas.


As meninas viraram moças. A cidade também cresceu, transformou-se em metrópole.


Para abrigar os novos moradores da metrópole, homens sisudos - que andavam apressados e carregavam pastas - começaram a comprar pequenas casas de madeira em grandes terrenos. Queriam construir prédios.


Um dia, a família soube que o vizinho estava para vender sua propriedade para um destes homens sisudos.

– E agora? – preocupou-se o pai. – Ficaremos sem sol!


Como ele sabia que os raios de sol eram muito importantes para a felicidade da família, juntou suas economias e comprou o terreno.


– Que maravilha! – comentou a mãe. – Agora o sol continuará a brilhar nas nossas janelas.


– Pai, você pode fazer ali um jardim? – perguntaram as moças.


O pai pensou que suas filhas queriam um jardim repleto de flores. De imediato, aprovou a ideia. Afinal, naquele novo espaço ele poderia brincar com seus netos, que não demorariam muito para chegar.


Mas as moças eram sonhadoras. Elas não queriam um jardim comum.


Elas queriam, na verdade, um jardim de infância que pudesse abrigar os filhos, netos e bisnetos de todas as mães, avós e bisavós do bairro.

Elas queriam ajudar a formar crianças com potencial de mudar o mundo para melhor.


Inspiradas pela obra de Maurice Druon, “O Menino do Dedo Verde”, as irmãs batizaram o jardim de Tistu. Em 1977, iniciaram as atividades com 19 crianças. Ao final daquele ano, já eram mais de 50.


Hoje, o jardim virou escola: Centro de Atividade Educacional Tistu, referência em Educação Infantil em Curitiba. Desde 2006, oferece também turmas de Ensino Fundamental. Possui 3 unidades: uma na sede original, outra a apenas duas quadras de distância, e a terceira no bairro Campo Comprido.


A família ainda vive na casa ensolarada e está ativamente presente na administração do Tistu, somando três gerações de pessoas dedicadas à educação, respondendo por mais de 750 alunos e uma equipe de 150 colaboradores.